Monthly Archives: April 2018

Micro e pequenas empresas em Pernambuco terão apoio financeiro da Facepe

 

 

 

Micros e pequenas empresas que atuam em Pernambuco terão a oportunidade de ter seus projetos financiados. É que a Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado (Facepe) está disponibilizando R$ 4,5 milhões para o apoio à pesquisa, desenvolvimento e inovação das instituições. Dentro da iniciativa, será destinado R$ 1 milhão para projetos vinculados à produção de energias renováveis e R$ 3,5 milhões para qualquer outra área de conhecimento.

Estão aptas a participar do edital microempresas ou empresas de pequeno porte de sociedade empresária, sociedade simples e empresa individual de responsabilidade limitada, além do empresário que se enquadra no artigo 966 da Lei nº 10.406. 

Leia também:
Brasileira ganha prêmio internacional por pesquisa sobre zika e Chagas

Todas as categorias devem estar inscritas no Registro de Empresas Mercantis ou no Registro Civil de Pessoas Jurídicas com atividade em Pernambuco ano-calendário anterior à data da proposta de financiamento, com receita bruta igual ou inferior a R$ 360 mil. Para empresas de pequeno porte a receita bruta deve ser superior a R$ 360 mil, igual ou inferior a R$ 4,8 milhões.

Com crescimento de fontes de energias renováveis no Brasil, incluindo Pernambuco, a iniciativa tem como enfoque e tema prioritário o setor. O objetivo é incentivar o desenvolvimento de processos e produtos inovadores de geração de energia capazes de manter-se disponíveis durante um longo prazo, contando com recursos renováveis e permanentes, a exemplo da energia solar e eólica. A medida faz parte da estratégia de Ciência, Tecnologia e Inovação do Governo do Estado, como forma de ampliar a competitividade das microempresas e empresas de pequeno porte de Pernambuco.

As propostas devem ser enviadas até 14 de maio e os projetos aprovados terão duração de 18 meses. O edital pode ser encontrado no site da Facepe. Nos últimos dez anos, cerca de 180 projetos de pesquisa aplicada, desenvolvimento tecnológico e inovação nas empresas pernambucanas foram apoiados pela Facepe, o que representou um aporte aproximado de R$ 55 milhões.


Petrolina ganha centro de energia solar

A cidade de Petrolina, no Sertão, ganhou a primeira etapa do seu Centro de Referência em Energia Solar (Cresp). A unidade, que foi inaugurada pelo prefeito Miguel Coelho (PSB) e pelo ministro de Minas e Energia, Fernando Filho (MDB), é a primeira em funcionamento no Brasil com este formato e servirá para pesquisas e desenvolvimento de matrizes energéticas renováveis. A estrutura também será utilizada para geração de energia para abastecimento interno da Chesf, reduzindo os custos da companhia.

O Centro fica situado na região do Pontal, zona rural de Petrolina. A estrutura tem área total de 45 hectares. Nessa fase, o ministro e o prefeito entregaram uma planta fotovoltaica com 7.600 módulos de geração de energia solar de 2,5 megawatts – o volume é suficiente, a grosso modo, para atender 60 mil famílias. Além da estrutura energética, foi inaugurado o prédio administrativo do Cresp, com ambientes para debates da evolução tecnológica, salas de monitoramento e laboratórios de pesquisa.

A primeira etapa do empreendimento já recebeu R$ 30 milhões em investimentos do Ministério de Minas e Energia e começa a produzir energia (em caráter de pesquisa) em abril. 

“No total, deixamos garantidos cerca de R$ 200 milhões para concluir esse Centro. Petrolina sai na frente dando um passo fundamental para o desenvolvimento da energia solar em nosso País”, disse o ministro.

Segundo o prefeito, a unidade de pesquisa também vai ajudar a cidade no processo de implantação de projetos pioneiros para energia renovável. Uma dessas ações é a criação de uma Parceria Público-Privada para produzir energia solar em todos prédios da Prefeitura de Petrolina. “Estamos escrevendo o nome na história da pesquisa e do desenvolvimento de energia sustentável do Brasil. Vamos ser, portanto, a primeira cidade do Brasil na geração de energia renovável na rede municipal”, adiantou Miguel Coelho.

A conclusão de todo o projeto do Cresp está prevista para o próximo ano. A unidade de pesquisa e tecnologia será gerenciada pela Chesf e contará com parcerias de universidades, institutos de pesquisa e da Prefeitura para o desenvolvimento de matrizes energéticas no Sertão do Estado.


Residência Alphaville Pernambuco II

  • Potência da Usina: 3kW
  • Economia Mensal: R $ 450,00
  • Economia Anual: R $ 5.400,00
  • Tempo de Retorno do Investimento: 3,6 anos

                        

 

        


Conta de energia fica mais cara em Pernambuco

 A conta de energia elétrica ficará mais cara em Pernambuco a partir de sábado (29). O pedido de revisão tarifárias feito pela Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) foi aprovado, nesta terça-feira (25), pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O aumento médio ficou em 7,62%.

Para os clientes residenciais, os aumento será de 8,87%. Também foram incluídos os moradores que pagam a tarifa social. Um consumidor residencial convencional que consome 100 kWh/mês, por exemplo, terá sua conta reajustada de R$ 60,70 para R$ 66,12.

Para consumidores atendidos em alta tensão, como indústrias e comércio de médio e grande porte, o aumento ficou em 4,85%, em função da estrutura tarifária. Em Pernamnbuco, a revisão tarifária ocorre a cada quatro anos, conforme contrato de concessão estabelecido entre a Celpe e a União.

Em 2017, o índice final da revisão tarifária sofreu impacto de dois itens de custos não administrados pela distribuidora: a indenização com a transmissão, com 3,62%, e o risco hidrológico, com 3,13%, sobre o índice final. Ou seja, esses componentes provocaram aumento de 6,75%, o que representa 89% sobre o índice final das tarifas.


Residência Alphaville Brennand – PE

  • Potência da Usina: 3kW
  • Economia Mensal: R $ 450,00
  • Economia Anual: R $ 5.400,00
  • Tempo de retorno do Investimento: 3,6 anos            

 

          


Residência em Piedade – PE

  • Potência da Usina: 6 kW
  • Economia mensal: R $ 900,00
  • Economia Anual: R $ 10.800,00
  • Tempo de Retorno do Investimento: 3,8 anos